15 janeiro 2009

Um Batman muito bobo

Tenho lido, aqui e ali, elogios ao último Batman do cinema. Aqui na rede há um coro de embasbacados, ali na imprensa, mais ainda. Coisas elogiosas demais sobre o ator, o personagem gay do Balacobaco Mountain , que faz o Coringa e que morreu logo depois, a atuação magnífica etc. É inverossímel, mesmo num filme de fantasia. Ninguém coloca bombas em hospitais inteiros, em barcaças cheias de gente e de guardas armados e controla tudo sozinho e à distância. Bomba é um negócio meio complicado, sabe? Precisa de pessoal técnico e especializado para instalar e acionar.

O Coringa anda sozinho e costuma matar seus parceiros (a primeira cena do filme). Ou seja, qualquer meliante relativamente esperto ia pensar duas vezes antes de se associar ao Coringa, porque as notícias correm e os bandidos logo logo perceberiam que o Coringa não é confiável. Associações criminosas (ou qualquer outra) têm, necessariamente, que promover uma confiança mínima entre seus membros para poder funcionar direito. Mas o Coringa consegue fazer coisas que nem uma equipe bem treinada consegue. Encher de bombas hospitais e barcas. Treinar cães. Foi ajudado, claro, pela equipe de produção do filme, seus únicos asseclas. Isso estraga qualquer filme. Quando você percebe que o personagem é ajudado, amparado, paparicado pelo diretor do filme, pela equipe técnica, pelo roteirista, o filme vira propaganda. Propaganda pessoal do diretor.

E o Batman é um babacão, que investe milhões de dólares em tecnologias sem sentido para fazer frente ao palhaço genial. E não consegue, ou quase isso. O Batman, que era pra ser um ente das sombras, é transparente como uma calcinha de seda e é completamente previsível em sua rigidez mental - um soldado burro, cheio de pruridos que escorrem como gotas de água contra o guarda-chuva de aço do Coringa. E que raio de voz é aquela, de onde eles tiraram a idéia daquela voz que parece a de um sujeito sentado num vaso sanitário e fazendo força para soltar algo mais além da voz? E desde quando o Morgan Freeman tem cara de cientista? E em qual maldita fragilidade mental se apoiam os princípios morais do Harvey Dente de cobra, pra ele virar um fascínora de uma hora pra outra? Só porque ficou feioso como Duas Caras? Só porque seus planos não deram certo? Que troço mais pitizento, um histerismo de criança mimada. A mensagem subliminar é que o bem é uma opçãozinha frágil demais. O Batman é frágil demais, o comissário Gordon é frágil demais. Só o Coringão tem poder. E é, sem muita discussão, um cara muito nojento.

Fiz uma pergunta para um amigo meu, na época do Sin City: quantas balas são necessárias para matar um personagem de Sin City? Varia muito, de 1 a 457 balas, conforme o capricho do diretor. No velho Matrix era: quantas balas são necessárias para se acertar um alvo? Também varia, de 1233 a 3720, também conforme o estardalhaço planejado da cena. A pergunta para o filme do Batman é: quantos ajudantes você precisa para fazer o que o Coringa fez no filme? A resposta é: você precisa só da equipe de produção do filme.

Bah, o Batman é mais um bestalhão nesse filme. Ainda não conseguiram um diretor à altura. Esses diretores de cinema precisam de uma temporada no Asilo Arkhan, ou talvez de uma certa, hã..., cultura humanística.

3 comentários:

  1. Brilhante! É bom ir na contramão do senso comum e poder fazer essa análise singular desse filme e das personagens. O Batmam que a gente lê nos primeiros quadrinhos é um cara das trevas, com conflitos, mas poderoso, e não esse babacão dos filmes. Algumas imagens são legais como quando ele está em cima dos prédios na noite,mais próxima aos quadrinhos. O Coringa tá muito tecnológico, embora a sua caracterização esteja bem feita. A interpretação do falecido artista é excelente; o que mata é o roteiro. Contudo, é um filme que nos entretém por algumas horas e nos faz esperar que o próximo seja mais próximo dos quadrinhos originais. Aí, Gugão, aos poucos você tá voltando e é bom. Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Van Dehrer11:42 PM

    Porra, você matou e esquartejou todo o fascínio que eu tinha por este filme... Mas a ação ainda é boa, apesar do roteiro. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Boa Gugão...muito boa sua avaliação do filme...vou mostrar pro Tick...vai rolar uma super gargalhada.

    bj

    ResponderExcluir